As Feiras de Ciências em Roraima (1986 A 2008) Contribuição para a Iniciação à Educação Científica

Autores

Maria do Socorro Magalhães de Sousa
Universidade Estadual de Roraima/UERR

Palavras-chave:

Feiras de ciência, Iniciação científica, Centro de ciências, Análise documental

Sinopse

As Feiras de Ciências são importantes espaços para a iniciação científica de estudantes da Educação Básica. Além da formação científica, as Feiras de Ciências permitem aos estudantes um espaço para troca de informações, construção de relações sociais, socialização de experiências, além do convívio comunitário. Ademais, a Feira de Ciências, quando interpretada como um espaço não-formal de ensino e educação, apresenta imensurável potencialidade para práticas docentes diferenciadas e inovadoras.

Neste contexto se insere a Feira Estadual de Ciências de Roraima (FECI-RR), que teve sua primeira edição em 1986. E nestes 30 anos de existência, observa-se uma crescente participação das  escolas e dos alunos da capital e do interior do estado a cada edição, com a inserção de escolas da área urbana, rural e indígena, com exposição dos trabalhos desenvolvidos no âmbito escolar e voltados para a realidade local.

Dessa forma, torna-se importante resgatar a história das Feiras de Ciências de Roraima e sua importância para iniciação científica em Roraima. Um estado que ainda possui baixos indicadores  educacionais e apresentam dados preocupantes no que se referem aos resultados da avaliação de desempenho do estudante apresentados nos exames nacionais que são aplicados no final do Ensino Básico. O índice em 2013, disponibilizado pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), ficou abaixo da meta projetada de 3.8, alcançando 3.2,  demonstrando apreensão nos educadores que buscam alternativas para melhorar o aprendizado de seus alunos. A consequência desse quadro reflete no perfil do ingressante na Educação  Superior provocando questionamentos sobre a trajetória escolar desse aluno.

Alcançar uma educação de qualidade é tarefa fundamental para assegurar o desenvolvimento de todo país e região, o que não é diferente no estado de Roraima que luta por melhorar os  indicadores que avaliam essa qualidade. E as feiras científicas escolares juntamente com a Feira Estadual de Ciências podem contribuir com a elevação destes indicadores, uma vez que oferta cursos para a formação continuada de professores e envolve os estudantes num ambiente de pesquisa em Institutos de Ensino e Pesquisa de Roraima.

Nesta direção, esta obra vem contribuir para este resgate histórico e valorização da pesquisa na Educação Básica de Roraima, auxiliando com o desafio de buscar essas informações e mostrar a contribuição das feiras de ciências para o processo de iniciação à Educação Científica roraimense.

Capítulos

  • Introdução
  • Capítulo 01
  • 1 Feiras de Ciências: Definição, Objetivo, Orientação, Organização e Funcionamento
  • 2 Feiras de Ciências Internacionais: Breve Histórico
  • 3 Feiras de Ciências no Brasil
  • 4 Iniciação à Educação Científica
  • 5 Feiras de Ciências: Estratégia Fomentadora do Processo de Ensino-Aprendizagem em Espaços Não Formais de Educação
  • Capítulo 02
  • 1 Divulgação Científica: Os Centros de Ciências
  • 2 O Centro de Ciências de Roraima
  • 2.1 Criação do CECI-RR
  • 2.2 Núcleo de Apoio Didático Pedagógico
  • 2.3 CECI-RR: Principais Ações e Atividade
  • 2.3.1 Técnica de Projetos: Práxis de Feiras de Ciências
  • 2.4 Declínio e Extinção do CECI-RR
  • 3 Secretaria Estadual de Educação Cultura e Desporto do Estado de Roraima
  • Capítulo 03
  • 1 Metodologia
  • 1.1 Tipo de Estudo
  • 1.2 Método da Pesquisa
  • 1.3 Instrumentos para Coleta de Dados
  • 1.3.1 Registros Institucionais - Os Documentos
  • 1.3.2 Entrevista
  • 1.4 Participantes da Pesquisa
  • 1.5 Ambiente da Pesquisa
  • 1.5.1 Breve Histórico e Localização do Ambiente da Pesquisa
  • 1.6 Procedimentos de Análise
  • Capítulo 04
  • 1 Resultados e Análises
  • 1.1 Antecedentes e Características do Ensino de Ciências em Ro- raima, Antes da Realização das Feiras Estaduais de Ciências
  • 1.2 Contexto histórico das Feiras de Ciências de Roraima (FECI- -RR): no período de 1986 a 2008
  • 1.3 Feiras de Ciências de Roraima e sua Contribuição para Ini- ciação Científica - no período de 1986 a 2008
  • 1.3.1 Capacitações
  • 1.3.2 Disponibilização de Recursos Financeiros
  • 1.3.3 Assessoria Pedagógica Especializada
  • 1.3.4 Referencial Teórico
  • 1.3.5 A Técnica de Projetos: Práxis de Feiras de Ciências
  • 1.3.6 Avaliação e Divulgação
  • 1.4 Feira de Ciências de Roraima: Analisadas de Acordo com os Preceitos de Bardin
  • Capítulo 05
  • 1 Informações complementares: feiras de ciências em Roraima no período de 2009 a 2014
  • 1.1 Cronograma de Realização das Feiras de Ciências a partir de 2009
  • 1.2 Considerações a Respeito das Feiras de Ciências a partir de 2009
  • Considerações finais
  • Referências
  • Apêndices

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Magalhães de Sousa, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Mestre em Ensino de Ciências/Universidade Estadual de Roraima em 21 de agosto de 2015. Especialização em Administração Escolar - Universidade Salgado de Oliveira - RJ (2000). Especialização em Direito da Criança e do Adolescente - Universidade Estácio de Sá - RJ (2002). Pedagoga - Universidade Federal de Roraima - (1998) Professora do Ensino Básico com experiência no Ensino Fundamental, nas disciplinas de: Português, Matemática e Ciências. na área do Direito da Criança e do Adolescente no que se refere a lei de n° 8069/90, cursos e programas afins e atualmente Coordenadora Pedagógica da Secretaria de Estado da Educação e Desporto de Roraima, atuando na Escola Estadual Hildebrando Ferro Bitencourt.

Referências

BAZIN, M. J. O que é iniciação científica. Revista de Ensino de Física, 1, 81-88, 1983.

BAZO, Raúl Horacio; SANTIAGO, Alberto O.. Investigación científica en la escuela. Buenos Aires: Ed. Plus Ultra, 1985.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Que é Educação. 27ª edição. Editora: brasiliense, 1992.

BRASIL. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

________. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências Naturais. Brasília, v.4, 2001.

________. Programa Nacional de Apoio às Feiras de Ciências da Educação Básica – FENACEB/Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica - Brasília, 2006.

BUENO, Wilson C. Jornalismo científico: conceitos e funções. Ciência e cultura, vol. 37, n. 9, pp. 1420-1427, 1985.

CALAZANS, Julieta (org.). Iniciação Científica: construindo o pensamento crítico. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

CHASSOT, Áttico. Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. (Col. educação em química), 5ª.ed, rev. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. Tradução: Gilson Cesar Cardoso de Souza. 24 ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

FAZENDA, Ivani C. A. Práticas Interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra,1996.

GADOTTI, M. A boniteza de um sonho. Novo Hamburgo: FEEVALE, 2003.

GALIAZZI, Maria do Carmo. Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

GASPAR, Alberto. Museus e Centros de Ciências – conceituação e proposta de um referencial teórico. 1993. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIORGION, Rogério. Habilidades Matemáticas Presentes em Alunos do Ensino Médio Participantes em Feira de Ciências. Dissertação de Mestrado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC/SP. São Paulo: 2010.

GÓES, Joana; BAROLLI, Elizabeth. A Feira de Ciências: O grupo de professores e a sustentação de uma proposta curricular. 2010. Disponível em: <http://www.fae.ufmg.br/abrapec/viempec/CR2/p871.pj>. Acesso em: 15 março de 2015.

GOMES, E. C.; GONZAGA, L. T.; SOUSA, E. R. V.; FACHÍN-TERÁN, A. Espaços não-formais contribuições para aprendizagem significativa: uma articulação necessária ao processo de ensino-aprendizagem. São Paulo: Fio Cruz, 2010.

GUERRA, Isabel. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo. Estoril: Princípia, 2006.

GUINCHART, Clarice; MENU, Michel. Introdução geral às ciências da informação e documentação. Brasília: IBICT, 1994.

HERNÁNDEZ, Fernando; MONTSERRAT, Ventura. Os projetos de trabalhos: uma forma de organizar os conhecimentos escolares. In A organização do currículo por Projetos de Trabalho. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

HISI, Andréia; PAIÃO, Cristiane. O despertar de talentos em ciência e tecnologia. Com Ciência, nº 124, Campinas, dez, 2010. Disponível em: <http://comciencia.scielo.br/scielo.php>. Acesso em: 14 de março de 2015.

JACOBUCCI, Daniela Franco Carvalho. Tese de Doutorado. A Formação Continuada de Professores em Centros e Museus de

Ciências no Brasil. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação, 2006.

KRÁSILCHIK, Myriam. O Professor e o Currículo das Ciências. São Paulo: E.P.U, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos, para quê. São Paulo, Cortez, 2005.

MANCUSO, Ronaldo. Feiras de Ciências: produção estudantil, avaliação, consequências. Contexto Educativo. Revista Digital de Educación y Nuevas Tecnologias, 2000.

MARANDINO, Martha, SELLES, Sandra Escovedo, FERREIRA, Márcia Serra. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa e interpretação de dados. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MARTINS, João B. A questão curricular e o papel do professor no contexto das tecnologias educacionais. In ESTRELA, A. & FERREIRA, J. (org.) Tecnologias em Educação: Estudos e Investigações. X Colóquio da AFIRSE. Lisboa: FPCE-IIE, 2001.

MELO, José Marques de. Impases do Jornalismo Científico. Comunicação e Sociedade, n. 7, pp.19-24, 1982.

MOREIRA, Ildeu de Castro. A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social Brasília, v.1, n.2,p. 11-16, abr/set, 2006.

NASCIMENTO, Tatiana Galieta. Definições de Divulgação Científica por jornalistas, cientistas e educadores em ciências. Ensaio. Ciência em Tela- volume 1, número 2. 2008.

NEVES, Selma Regina Garcia; GONÇALVES, Terezinha Valim Oliver. Feiras de Ciências. Cad. Cat. Ens. Física, 6 (3), 241- 247, 1989.

NOGUEIRA, Nilbo Ribeiro. Pedagogia dos projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas

inteligências. São Paulo: Érica, 2007.

OAIGEN, Edson Roberto; BERNARD, Tania; SOUZA, Claudia Alves; MACHADO, Rosana. Concepção de Professores do Ensino

Fundamental de Escolas Municipais de Boa Vista–RR Sobre a Inserção da Iniciação à Educação Científica nas Séries Iniciais. Revista Destaques Acadêmicos, Edição Especial, 2013.

OLIVEIRA, Sidnei. Geração Y - Era das conexões: tempo de relacionamentos. São Paulo: Clube de Autores. 2009.

ORMASTRONI, Maria Julieta Sebastiani. Manual de Feira de Ciências. Brasília: CNPq, AED, 1990.

PÁDUA, Elizabete M. Marchesini de. Metodologia da Pesquisa: Abordagem teórico-prática.10 ed. Campinas: Papirus, 2004.

PEREIRA, Antonio Batista, OAIGEN, Edson Roberto; HENNIG, Georg J. Feiras de Ciências. Canoas: Ed. Ulbra, 2000.

QUEIROZ, Ricardo Moreira de; TEIXEIRA, Hebert Balieiro; VELOSO, Ataiany dos Santos; TERÁN, Augusto Fachín; QUEIROZ, Andrea Garcia de. A caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. (VIII ENPEC) Campinas, 2011.

RAMOS, Laymerie Castro de. Educação: memórias e reflexões. Boa Vista: ADVANCED, 2007.

REGO, Teresa Cristina. Vigotsky, uma perspectiva histórico-cultural da educação. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

REIS, José. Divulgação Científica. Revista Espiral - Revista Eletrônica de Divulgação Científica, ano 7, n. 27, abr-mai-jun, 2006.

ROCHA, Sônia Cláudia Barroso da; TERÁN, Fachín Augusto. Dissertação: O uso dos espaços não formais como estratégia para o Ensino de Ciências. Manaus: UEA/ Escola Normal Superior/PPGEECA, 2010.

SAMPIERI, Roberto H.; COLLADO, Carlos F.; LUCIO, Pilar B. Metodologia de Pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw Hill, 2006.

SATO, Leny. Feira Livre: Organização, Trabalho e Sociabilidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

SOUZA, Daniel. M. V. de. Museus de ciência, divulgação científica e informação: reflexões acerca de ideologia e memória. Perspectivas em Ciência da Informação. v. 14, p. 155-168. 2009.

SOUZA, Jacqueline de.Dissertação: Intervenções de um serviço de saúde mental direcionadas aos usuários sob tratamento pelo uso abusivo de substâncias psicoativas: das políticas e documentação à prática cotidiana. Orientadora:Profa. DSc. Luciane Prado Kantorski. Ribeirão Preto, 2007.

SOUZA, Rosa Maria Soares de; MARTINS, Maria Bezerra. Experiência de Iniciação Científica na Educação Básica das Escolas na XVIII Feira de Ciências do Estado de RR. Curitiba: CRV, 2011.

TRUJILLO, Ferrari Alfonso. Metodologia da Pesquisa Científica. São Paulo Ed. Megraw-Hill, 1982.

VALENTE, J.A. Formação de Professores: Diferentes Abordagens Pedagógicas. In: J.A. Valente (org.). O computador na Sociedade do Conhecimento. Campinas: UNICAMP-NIED, 1999.

VALENTE, Alvarez, ESTHER, Maria. O Museu de Ciência: espaço da história da ciência. Ciência & Educação. Bauru, v. 11, n.1. abril, 2005.

VASCONCELOS, Simão Dias; SOUTO, Emanuel. O livro didático de ciências no ensino fundamental – proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência & Educação, v. 9, n. 1, p. 93-104, 2003.

YAMASHITA, Marina Mayumí; PALLETA, Fátima Aparecida Colombo. Preservação do Patrimônio Documental e bibliográfico com ênfase na higienização de livros e documentos textuais. Arquivística. net, v. 2, n. 2, 2006. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/documento.php?dd0=0000004451&dd1=a72a9>. Acesso em: 15 março de 2015.

Capa do livro

Publicado

August 21, 2020

Licença

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)

978-65-990458-3-7